Weby shortcut

Direitos Humanos, Ciências e Interdisciplinaridade

Atualizado em 25/11/16 11:25.

Direitos Humanos, Ciências e Interdisciplinaridade

Nível: Mestrado

Créditos: 4

Carga Horária: 64hs

 

Ementa

Nesta disciplina pretende-se ao discutir as fronteiras do campo de estudos dos direitos humanos como um campo científico interdisciplinar. Procurar-se-á estabelecer relações entre teoria crítica, conhecimento científico e articulação entre ciências, como o objetivo de situar alguns dos limites e desafios impostos à interdisciplinaridade no interior desse campo de estudos. Pois, grande parte do debate intelectual e das lutas sociais que se deram em meio ao diagnóstico da crise civilizatória, das promessas não cumpridas do mundo moderno, foi pensada e problematizada, no espaço acadêmico, tendo como pano de fundo questões do tipo: o campo de estudos formado em torno da problemática dos direitos humanos produziu uma teoria social capaz de ver além das fronteiras das diferentes teorias sociais o conformava? É nesse contexto que, em diversos níveis de integração interdisciplinares e em diferentes formatos institucionais multidisciplinares – e, por vezes, interinstitucionais –,é que foi tomando forma esse novo campo de pesquisa. Um campo de pesquisa que, diante da crise societária, reivindicava tratar essa problemática a partir de um profundo e amplo diálogo entre a ciência como um todo e o senso comum, a ação política e o pensamento crítico, redefinindo suas fronteiras disciplinares.

Bibliografia

BURSZTYN, M. A Institucionalização da Interdisciplinaridade e a Universidade Brasileira. In: LIINC em Revista, v.1, n. 0, março 2005a. p.38-52. http://www.liinc.ufrj.br/revista.

______.Interdisciplinaridade: é hora de institucionalizar!In: Ambiente e Sociedade. Campinas: Unicamp: CNPq, v.2, nº 5, jul./dez., 1999, pp. 229-232. 1.

BOURDIEU, Pierre. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Ática, 1983.

ESCHENHAGEN, M. L. Conocimiento, complejidad, sistemas e interdisciplinariedad. In: La educación ambiental superior en América Latina: cómo se refleja la interdisciplinariedad en los planes curriculares de maestría? Cidade do México: Universidade Autônoma do México, 2005. Tese de Doutorado. pp. 1-76.

FULLER, S. On regulating what is known: a way to social epsitemology. In: Synthese. Nº 73 Oct., 1987. pp.145-183.

GIESBRECHT, M. D’O. Interdisciplinaridade ambiental: um estudo sobre programas de pósgraduação no Brasil. Campinas, 2004. Relatório de qualificação. (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas.

GARCÍA, R. Conceptos básicos para el estudio de sistemas complejos. In : MENDEZ, I. e CASANOVA, P. G. (coord.) Matemáticas y ciências Sociales. México: CIIH, 1993. pp.89-115.

HABERMAS, J.. Técnica e ciência enquanto ideologia. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril, Editora, 1975.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1990.

LAUTOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. São Paulo: Cortez, 2001b. pp. 61-110.

LIMA, Ricardo Barbosa de . A disputa entre o normativo e o analítico no campo de estudos socioambientais no Brasil (1992-2002). In: Leila da Costa Ferreira; Laura Duarte. (Org.). Diálogos em ambiente e sociedade no Brasil II. 1 ed. São Paulo: Annablume, 2008, v. 2, p. 221-241.

MORIN, E. Epistemologia da complexidade. In: SCHNITMAN, Dora Fried (org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996b. pp. 274-289.

NUNES, João Arriscado. Introdução ao painel. “Ciências/Humanidades: grandes esperanças ou ligações perigosas?”. In : Revista Crítica de Ciências Sociais. A reinvenção da teoria crítica. nº 54. jun. 1999, pp. 107-114.

PRIGOGINE, I. O fim das certezas. Tempo, Caos e as Leis da Natureza. São Paulo: UNESP,1996.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez,2001.

SOARES, L. E. Faça a coisa certa: o rigor da indisciplina. In: BOMENY, H. e BIRMAN, P. (orgs.). As assim chamadas ciências sociais: formação do cientista social no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, 1991. pp. 265-278.

REIS, E. P. Reflexões transversas sobre transdisciplinaridade. In: BOMENY, H. e BIRMAN, P. (orgs.). As assim chamadas ciências sociais: formação do cientista social no Brasil. Rio de Janeiro: UERJ, 1991. pp. 243-249.

SCHNITMAN, Dora Fried (org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. 294 p. 19. SHIVA, V. Biopirataria: a pilhagem da natureza e do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2001.

Listar Todas Voltar